Bolsas de estudo e viagem

Bolsa da AOTP para participar do VI EMEP

 

As Bolsas AOTP 2017 foram atribuidas aos seguintes colegas:

"Recursos TIC em sala de aula"

Catarina Lages (Sistema secundário de Badajoz, Espanha)

A vertiginosa evolução da Era Digital a que assistimos atualmente estende-se à realidade educativa. O professor passou a ter um papel mediador entre o conhecimento e o aluno. É, pois, premente que o professor assuma um papel ativo relativamente às tecnologias em sala de aula, sob pena de as suas práticas se tornarem desmotivantes face às necessidades atuais e às exigências dos alunos e da sociedade do século XXI. A tecnologia promove a aprendizagem formal e informal, transportando o aluno do espaço físico da sala de aula para o exterior, envolvendo-o diretamente no processo. É de acordo com esta linha de pensamento que se pretende partilhar alguns recursos TIC já testados em sala de aula com alunos de diferentes níveis de proficiência (A1 a B2) e de diferentes faixas etárias (12 a 17 anos de idade), no âmbito do PLE (Português Língua Estrangeira). O objetivo é explorar alguns recursos criativos, interativos, colaborativos e sobretudo que criem espaço para a motivação. Ir-se-á incluir alguns recursos para potenciar a utilização dos dispositivos móveis em sala de aula. Serão ferramentas intuitivas que garantem uma aula de português dinâmica. Nesta oficina vamos explorar as seguintes ferramentas da web: criação de questionários interativos; elaboração de páginas web; construção de livros digitais; apresentação de conteúdos através de animações de vídeos; produção de nuvens de palavras; organização de mapas conceptuais e contactar com aplicações através de dispositivos móveis.

"Ensino de língua portuguesa e cinema: proposta de interseção no âmbito do PIBID/UFSJ"

Marília de Carvalho Caetano Oliveira (Universidade Federal de São João del-Rei, Brasil)

Este trabalho objetiva apresentar um projeto de ensino de português desenvolvido de abril a junho de 2016 na Escola Estadual Governador Milton Campos (São João del-Rei, MG, Brasil), projeto este vinculado ao PIBID e subsidiado pela CAPES. Pressupõe-se que o ensino de português deve oferecer oportunidades de reflexão sobre as práticas de linguagem e que esse trabalho deve ser enriquecido com recursos de diferentes naturezas, dentre eles o cinema: “a presença crescente dos meios de comunicação na vida cotidiana coloca, para a sociedade em geral e para a escola em particular, a tarefa de educar crianças e jovens para a recepção dos meios” (PCN, 1998, p. 89). Segundo Napolitano (2013, p. 11), “trabalhar com cinema em sala de aula é ajudar a escola a reencontrar a cultura ao mesmo tempo cotidiana e elevada, pois o cinema é o campo no qual a estética, o lazer, a ideologia e os valores sociais mais amplos são sintetizados numa mesma obra de arte”. Porém o cinema deve desenvolver a criticidade dos alunos, promovendo multiletramentos. Para Rojo (2012, p. 13), o conceito de multiletramentos aponta para a “multiplicidade cultural das populações e a multiplicidade semiótica de constituição dos textos por meio dos quais ela se informa e se comunica”. Os resultados deste trabalho indicaram importante desenvolvimento de competências nos discentes, o que promoveu maior motivação para o aprendizado.

"Internacionalização da língua portuguesa: ensino, formação docente e espaços discursivos nacionais e transnacionais"

Edilson Teixeira (Instituto de Profesores Artigas (IPA), Administración Nacional de Educación Pública (ANEP) e Universidad de la República (UDELAR), Uruguai)

Dentre os processos de internacionalizações devemos pesquisar sobre as imagens e os espaços discursivos da língua portuguesa. A institucionalização da formação docente onde a língua oficial não é o português, com razões sócio-históricas para o ensino público, como políticas linguísticas nacionais que respondem aos acordos internacionais, requer análise constante.
Nossa problemática consiste em compreender os sentidos da língua portuguesa no país, na região e nos espaços internacionais, com foco no ensino público e na formação docente da Administración Nacional de Educación Pública e da Universidad de la República. O dispositivo teórico pertence a Análise do Discurso de linha francesa por pesquisar questões ideológicas e pela língua e o sujeito serem construções socio-históricas exteriorizadas linguisticamente. O corpus reúne documentos das últimas três décadas de organismos oficiais nacionais e internacionais. A abordagem permite generalizações na comparação de análises de outros documentos internacionais. Este estudo é relevante porque não há outro similar e acontece num momento chave das formações docentes de português e do Uruguai como Observador Associado da CPLP. As implicações da pesquisa revelam aspectos ideológicos que intervém nas ações educativas e podem contribuir para o fortalecimento da área acadêmica nacional e para a internacionalização da língua, assim como propiciar dados para decisões das autoridades competentes e para futuras pesquisas.

 

"Cartas de além-mar: troca de cartas entre Brasil e Portugal"

Carolina Yokota de Paula Lima (Colégio Humboldt São Paulo / Deutsche Schule, Brasil)  
Tendo em vista que em 2016 o Acordo Ortográfico entrou em vigor no Brasil, uma discussão sobre seus pontos principais e sobre o que isso de fato significa se tornaram questões relevantes nas aulas de Português. Dentro desse contexto, elaborou-se um projeto intitulado Cartas de Além-Mar. O objetivo desse trabalho foi discutir, além das questões relativas ao Acordo, as diferenças entre o Português brasileiro e o Português europeu. O projeto, que foi realizado com alunos de 7º ano, teve seu início com discussões e pesquisas a respeito do Acordo. Elas serviram de motivação para que os alunos escrevessem cartas para alunos de 7º ano de Lisboa. Todo o processo foi previamente discutido por e-mail entre as professoras do Brasil e de Portugal e resultou na troca de cartas de ambas as partes. Todas as etapas foram gratificantes: da discussão sobre as diferenças entre as línguas até a chegada e leitura das cartas. Com este projeto, os alunos puderam constatar as diferenças sobre as quais tinham lido e perceberam outros aspectos mais sutis no uso da língua. O resultado foi  observar aquilo que José Saramago já havia apontado sobre o fato de não haver ""uma língua portuguesa, mas línguas em português”. Cartas de Além-Mar recebeu reconhecimento da mídia,  aparecendo em jornais e revistas (Revista Veja, Jornal Metro e TV Brasil) e está atualmente na sua segunda edição, desta vez  tendo Angola com país participante.
"

 

 

Bolsa da AOTP

A AOTP – American Organization of Teachers of Portuguese tem o prazer de anunciar que vai disponibilizar quatro bolsas, no valor de $500 cada uma, a todos os membros da AOTP que queiram apresentar o seu trabalho no VI EMEP – Encontro Mundial sobre o Ensino de Português. As bolsas destinam-se a professores e estudantes que manifestem interesse, depois de verem as suas propostas aprovadas pela comissão científica, e vão ajudar a financiar as viagens dos autores. Os beneficiários concordam em reconhecer o apoio da AOTP durante as suas apresentações no VI EMEP.

Elegibilidade para a Bolsa da AOTP para participar do VI EMEP. Os candidatos devem demonstrar o seguinte:

- Ser membros da AOTP com a anuidade em dia (em caso de empate, os membros com senioridade têm precedência)

- Ter tido uma proposta aprovada pela comissão científica do VI EMEP

Procedimento

- Preencher o formulário nesta página até dia 20 de abril.

- Os resultados serão anunciados no dia 30 de abril.

- As bolsas serão entregues na sessão de abertura do VI EMEP.

Critérios de Avaliação

- Originalidade da proposta

- Qualidade da proposta

- Dedicação aparente ao ensino de português como língua estrangeira, de herança ou materna

Candidaturas

As candidaturas devem ser submetidas eletronicamente através deste formulário. Boa sorte.

Quaisquer questões sobre o processo de candidatura ou as candidaturas podem ser enviadas para info@emepsite.com.