Qual o real acesso e a real necessidade de produção linguística dos aprendizes de línguas de herança em suas casas?* – Nosso Idioma

A decisão familiar de proporcionar a oportunidade de adquirir e manter uma língua de herança é muito importante e requer empenho de todos os envolvidos: pais, família distante, professores e comunidade. Vejamos o que o professor emérito e doutor em bilinguismo François Grosjean comenta:

Para a manutenção de uma língua é preciso atentar para alguns fatores: primeiro, à quantidade de exposição às línguas que queremos transmitir e manter; segundo, à necessidade do uso delas; terceiro, para a natureza dos recursos que utilizamos para essa transmissão e manutenção; quarto, como a família age em relação à língua de herança; e, quinto, para o valor que dada língua de herança tem na comunidade em que se vive. (François Grosjean. Bilingual: life and reality. 2010 – tradução minha)

Como Grosjean e outros pesquisadores sobre bilinguismo observam a aquisição, a manutenção e o desenvolvimento de uma língua de herança tem relação direta com a quantidade e qualidade de insumo (input) e de produção (output) de linguagem do aprendiz. Isto quer dizer: para manter e desenvolver uma língua é necessário que a criança tenha uma certa quantidade e qualidade de exposição diária, como também que ela participe de atividades como sujeito ativo que comunica algo. Lembremos que as crianças são pragmáticas: o aprendizado e a manutenção de uma língua de herança deve se dar por meio de situações reais de interação comunicativa.

Johanne Paradis (2011) observa ainda que, para falantes de herança, atentar para a qualidade de insumo (input) é um fator muito relevante. Suas pesquisas indicam que qualidade de insumo significa ter acesso a diferentes registros linguísticos, a interlocutores proficientes e a atividades complexas como aulas extracurriculares, brincadeiras, leitura, enfim, situações ativas de comunicação.

É sobre a qualidade de insumo e de produção linguística que Grosjean está falando quando comenta que devemos atentar para a natureza dos recursos de transmissão e de manutenção da língua. São consideradas de qualidade as formas ativas de interação, como ler ou ouvir uma história e ter que recontá-la, ler e ter que discutir um assunto, falar com a família distante ou com alguém (narrar e descrever as ações diárias e acontecimentos, dar opinião e argumentar sobre algo com frases complexas), brincar com alguém, participar de  jogos que requeiram a construção de palavras ou histórias. São consideradas formas passivas de interação: ouvir músicas ou histórias, assistir à televisão, DVDs, jogos eletrônicos, enfim, relações que não exijam produção de linguagem, etc.

Qual o total de horas diárias de exposição e de produção ativas a que os aprendizes têm acesso à língua de herança? Qual o total de horas diárias de exposição passiva? Esses dados podem ajudar pais e professores a refletirem sobre o real acesso e a real necessidade de produção linguística dos aprendizes em casa. A partir desses dados e da reflexão sobre eles, pais, professores e iniciativas podem formar parcerias que ajudarão a família a oferecer situações de interação comunicativa de qualidade, o que será fundamental para a manutenção da língua de herança.

 

* Texto publicado originalmente na plataforma Brasileirinhoswordpress: https://brasileirinhos.wordpress.com/2015/03/09/qual-o-real-acesso-e-a-real-necessidade-de-producao-linguistica-dos-aprendizes-de-linguas-de-heranca-em-suas-casas/

 

** Ivian Destro Boruchowski, MEd
Professora, autora e pesquisadora sobre bilinguismo e línguas de herança.

Please reload

Featured Posts

Ruth Broad Elementary School, em Bay Harbor Islands, tem after school program em português – Nosso Idioma

September 24, 2015

1/6
Please reload

Recent Posts

December 30, 2015

December 17, 2015

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square