A preposição – Nosso Idioma

–Preciso de outro formulário, desculpe-me errei meu nome.

– Mas vejo que está escrito corretamente: MARGARIDA DE PATROCINIO, Ah! Já entendi, não é de Patrocínio, mas “do” Patrocínio, correto? Eu mesma corrijo para a senhora.

Apenas uma preposição.

– Não. Está errado mesmo. Eu não sou mais de Patrocínio.

– O que houve?

– Ele morreu.

– Como assim? Quem morreu?

– O Patrocínio.

A funcionária parecia não entender nada:

– Senhora, afinal, qual é o seu sobrenome?

– De Souza, Sou Margarida de Souza. Mas de Souza, não sou mulher não, Deus que me defenda, o Souza se casou no ano passado, com minha prima segunda.

Crendo que estava diante de alguém que não regulava bem da cabeça, a funcionária lhe entregou outro formulário sem mais perguntas. Coitada da Margarida, já estava viúva há 7 meses e, ainda assim, não havia se acostumado com duas coisas: não era mais do Patrocínio e ali em Santa Catarina, quase ninguém entendia a sua cultura paraibana.

Ela nasceu e viveu na Paraíba, de onde saiu contra vontade, depois de ter ficado viúva aos 39 anos. Por lá, ainda nos dias de hoje, a mulher casada é chamada pelo nome do marido, com direito a preposição e tudo. Assim sempre foi com suas primas e amigas, A Rita de Zé do Queijo; Janete de Severino; Leonor de Anastácio e, desse modo, com ela não poderia ser diferente: Margarida de Patrocínio.

Margarida preencheu tudo de novo e entregou o formulário e a foto. A funcionária digitalizou as informações e em 15 minutos ele estava pronto. Entregou-o em suas mãos.  Ela olhava atentamente o seu primeiro crachá de funcionária: auxiliar de serviços gerais. Era seu primeiro emprego de carteira assinada. A funcionária curiosa com a demora de Margarida em olhar tanto para o crachá, perguntou-lhe:

– Sra. Margarida, não gostou da foto?

– Da foto eu gostei, até que saí bonita. Mas o que não gostei mesmo foi de Souza, eu nunca fui com a cara do sujeito. Eu gostava mesmo era de ser de Patrocínio. E lá se foi ela meio desapontada bater o ponto em seu primeiro dia de trabalho.

 

*Lucia Wenceslau dos Santos é professora de português e espanhol. Estudou na Universidade Metodista de São Paulo. Atualmente reside na Flórida – Estados Unidos. É membro da AOTP, trabalha com ensino de Língua Portuguesa para Estrangeiros e é voluntária na VFP (Fundação Vamos Falar Português).

Please reload

Featured Posts

Ruth Broad Elementary School, em Bay Harbor Islands, tem after school program em português – Nosso Idioma

September 24, 2015

1/6
Please reload

Recent Posts

December 30, 2015

December 17, 2015

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square