A Alegria na Cultura Brasileira – Nosso Idioma

Todos os anos, recebo alunos de várias partes do mundo para intercâmbio de 6 meses ou 1 ano na Universidade de São Paulo. São falantes oriundos de vários países interessados em aprender o português do Brasil. Os chineses são sempre mais numerosos do que os ingleses, franceses, norte-americanos, guineenses, etc.

As questões interculturais são invariavelmente motivo de alegria, excitação e também de repúdio em alguns casos. Analisemos melhor essa questão à luz dos postulados das teorias sobre interculturalidade. Nesse viés, há consenso sobre fases dos contatos interculturais: 1. encantamento; 2. saudade; e 3. integração.  Quando esses jovens chegam, encantam-se menos com a paisagem natural que pensavam existir e mais com o convívio com brasileiros. A alegria, a comida, a qualidade das frutas, os sucos naturais, o café que só em terras brasileiras (ou em casas brasileiras no exterior) experimentamos, o pãozinho francês, o céu azul (a grande surpresa chinesa), o céu estrelado (segunda maior surpresa chinesa), tudo é muito interessante. Amizades são feitas, passeios são realizados e o tempo voa. Pouca saudade de casa se manifesta.

Aproximadamente no quinto mês de convívio intenso, começam a sentir uma abstinência enorme da comidinha de casa. É nessa fase que buscam andar com conterrâneos, que identificam lugares típicos de sua terra natal. Inicia-se um período mais crítico com relação ao comportamento de brasileiros. A comparação entre culturas é inevitável. Na terceira fase, passados aproximadamente oito meses, passam a conviver melhor com as diferenças. Passam a identificar os espaços de conflito e a saber os modos de os evitar. Passam a usufruir melhor da cultura local preservando sua essência cultural íntegra. Esse é o momento da integração, em que se descobre o óbvio: fazer parte de outra cultura não pressupõe apagar sua história, seus hábitos e sua identidade. Também requer saber que a diversidade é benéfica, que o diferente não deve ser visto como “desastre”, mas como efeito resiliente, como força adaptativa.

Quando perguntamos o que de peculiar tem o brasileiro, referem invariavelmente a alegria. Entender por que o povo brasileiro é alegre e parece feliz com tantos problemas no entorno parece ser uma estratégia interessante de compreensão da brasilidade. Se essa felicidade é o motivo do encanto inicial, é também o motivo da irritação num momento posterior de convivência. Mas a alegria brasileira só pode ser compreendida em toda a sua extensão quando se descobre que é a alegria um indício de que os laços são mais fortes, e que o sorriso dá vazão à amizade, ao espírito fraternal. Sem alegria não é possível alimentar relações pessoais no Brasil. Essa foi a grande descoberta de Pedro Álvares Cabral, relatada por Caminha: a alegria é essência do povo brasileiro.

 

Profa. Dra. Maria Célia Lima-Hernandes, formada em Letras, Especialista em Gramática do Português , Mestre em Filologia e Língua Portuguesa, Doutora em Linguística Teórica, Pós-doutorada pela Universidade de Macau, mestranda em Neurociências. Desenvolve pesquisas sobre cognição e linguagem e sobre o português de herança na China. Professora da Universidade de São Paulo, pesquisadora do CNPq e da FAPESP, e membro da AOTP.

Please reload

Featured Posts

Ruth Broad Elementary School, em Bay Harbor Islands, tem after school program em português – Nosso Idioma

September 24, 2015

1/6
Please reload

Recent Posts

December 30, 2015

December 17, 2015

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square