Por que americanos que já sabem espanhol não aprendem português rapidamente? – Nosso Idioma

Sabemos que o aprendizado da língua portuguesa por hispanofalantes é inicialmente mais rápido, mas algumas pessoas ficam sem entender por que diferenças sutis entre as duas línguas, como, por exemplo, as “simples” conjugações dos verbos “ser” e “estar”, não são claramente compreendidas pelos alunos em poucas sessões de aula. Acontece que por mais que o aprendiz possa acionar seus conhecimentos de espanhol, na verdade, aciona primeiro seu léxico na língua materna (inglês) e completa as lacunas com o  conhecimento na sua segunda língua (espanhol). Mesmo que a língua materna (L1) do aprendiz seja o espanhol, se ele tiver feito toda a sua formação acadêmica, ou boa parte dela, nos Estados Unidos, em língua inglesa, será nesse idioma que as primeiras relações de aprendizado serão feitas.

A dificuldade de distinção entre os verbos “ser” e “estar” pode ser ilustrada em uma situação comum em sala de aula; por exemplo, o professor mostra ao aluno uma imagem famosa, como a do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, e pergunta-lhe “onde é este lugar?”. Em seguida, em um contexto semelhante, o professor mostra outra imagem conhecida, e o aluno pergunta ao professor “onde está este lugar?”. Em inglês, já sabemos que não há distinção marcada no verbo “to be”, entretanto, essa marca existe em português e em espanhol. Percebemos, então, que essas sutis trocas envolvem os conceitos da L1 do aluno.

São necessárias muito mais sessões acerca de coisas básicas para que a fossilização seja evitada e não nos deparemos com o portunhol – mistura de português com espanhol como uma interlíngua – nas produções orais e escritas dos alunos. Larry Selinker (1972: 215) descreve fossilização como itens linguísticos e subsistemas que falantes de uma língua nativa particular tenderão a manter na sua interlíngua relativa a uma língua-alvo particular, não importa qual a idade do aprendiz ou quantidade de explicação ou instrução que ele recebeu na língua-alvo. Um exemplo é a construção de sentenças como:  “agora eu vou procurar livros, os otros días eu hago minha tarea”. Nesse exemplo em que o português é a língua-alvo, o espanhol está contribuindo para a formação da uma interlíngua, o portunhol. Entretanto, como sabemos, o portunhol não é a língua oficial de nenhuma comunidade, assim, é preciso que o professor trabalhe constantemente com o aluno essas interferências.

Como o espanhol é a língua estrangeira mais usada no território americano, é importante pensar a contribuição dessa língua para o ensino de Português como Língua Estrangeira levando em consideração: a) a necessidade de tratar como simples assuntos que têm uma complexidade maior na correlação língua-alvo/língua materna; b) a criação de momentos de uso real na língua-alvo; c) o portunhol, embora possa ser inevitável no primeiro contato entre os idiomas, deve ser trabalhado a fim de evitar a fossilização das ocorrências.

Referência: Selinker, L. (1972). Interlanguage. IRAL – International Review of Applied Linguistics in Language Teaching, 10, (3).

Please reload

Featured Posts

Ruth Broad Elementary School, em Bay Harbor Islands, tem after school program em português – Nosso Idioma

September 24, 2015

1/6
Please reload

Recent Posts

December 30, 2015

December 17, 2015

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square