Nossa vida como ela é? – Nosso Idioma

Este ano, diversos eventos no Brasil comemoram o centenário de nascimento do escritor Nelson Rodrigues. Nascido em 23 de agosto de 1912, em Recife, onde viveu apenas até os quatro anos de idade, sua família migrou para o Rio de Janeiro.

Nelson trabalhou em vários jornais. Além de se tornar um importante cronista, destacando-se também como cronista esportivo, ele escreveu folhetins, contos, romance e teatro. Foi neste gênero que construiu uma obra que ele mesmo classificou como um “teatro desagradável”, por representar personagens em situações limite, mas que o consagraram como o maior dramaturgo brasileiro.

Morreu aos 68 anos, em 21 de dezembro de 1980, de trombose e insuficiência cardíaca, sem presenciar seu prestígio. Aliás, ouviu a vaia do público algumas vezes, e na ocasião de encenação de sua peça Senhora dos Afogados, em 1954, disse: Queria desagradar muito mais. A vaia parcial a Senhora dos Afogados parece-me insuficiente. Só me sentirei bem quando merecer uma vaia total.

O teatro rodrigueano apresenta um universo em que a pureza não tem lugar. Nele, as personagens expõem seus demônios internos e imprimem uma visão pessimista do autor sobre as possibilidades de realização afetiva do ser humano. Assim, só podemos encontrar desfechos infelizes nas histórias dos tantos casais e amantes de suas 17 peças. Vale destacar que entre elas apenas uma tem final feliz, peça que chamou de Anti-Nelson Rodrigues. A ironia do título é autoexplicativa: só mesmo na obra em que o autor se propõe à contradição, poderíamos encontrar uma cena final em que as personagens se beijam! No entanto, a falsidade desse desenlace é evidenciada pela nota do autor para que os atores beijem-se como nos filmes antigos, porque se fosse uma cena real…Ao saborearmos suas peças, as ironias e sarcasmos não devem passar desapercebidos.

Nelson apropriou-se de técnicas do melodrama, compondo uma ação veloz, pontuada por revelações surpreendentes e reviravoltas súbitas. Suas histórias lidam sempre com situações extremas e ações extraordinárias. As personagens são, necessariamente, criaturas movidas por forças obscuras e densas. Isso tudo se traduz – no palco ou nas páginas de contos, romances, e crônicas – em uma expressão sobrecarregada. As rubricas e descrições do autor referem-se detalhadamente às atitudes, aos gestos, aos comportamentos corporais e às ressonâncias vocais. Consequentemente, são representados seres destemperados, comumente em discussão, estendendo as mãos em súplica, prostrando-se aos pés uns dos outros, atirando-se ao chão, emitindo gritos, clamando soluções. Esses extremos fizeram com que o amigo Manuel Bandeira o questionasse:

“Nelson, por que você não escreve sobre pessoas normais?”, perguntou Bandeira. E Nelson, levantando as mãos ao céu: “Mas, meu querido Bandeira, eu escrevo sobre pessoas como você e eu!” (Ruy Castro. “Prefácio a Nelson Rodrigues” in O melhor do romance, contos e crônicas. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.)
Só nos resta ler e questionar: O que há de nossas vidas em suas obras?

Please reload

Featured Posts

Ruth Broad Elementary School, em Bay Harbor Islands, tem after school program em português – Nosso Idioma

September 24, 2015

1/6
Please reload

Recent Posts

December 30, 2015

December 17, 2015

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square