Vinicius de Moraes: o eterno – Nosso Idioma

“Vinicius é o único poeta brasileiro que ousou viver sob o signo da paixão. Quer dizer, da poesia em estado natural”. Essa fala, atribuída ao poeta Carlos Drummond de Andrade, explicita características da poética e da vida de Vinicius de Moraes, como a naturalidade de seus versos para expressar sentimentos e uma história de vida regrada pela busca da plenitude. Não por acaso, o poeta casou-se nove vezes, tateando no amor a completude que na religião não alcançou.

Poética
De manhã escureço
De dia tardo
De tarde anoiteço
De noite ardo.

A oeste a morte
Contra quem vivo
Do sul cativo
O este é meu norte.

Outros que contem
Passo por passo:
Eu morro ontem

Nasço amanhã
Ando onde há espaço:
– Meu tempo é quando.


Vinicius de Moraes. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2ª. ed. 1986.

 

Vinicius de Moraes nasceu no Rio de Janeiro, em 1913. Formou-se em Direito e trabalhou como diplomata, jornalista, poeta e compositor. Apesar de servir como diplomata nos Estados Unidos, Espanha, Uruguai e França, nunca perdeu o contato com o universo literário e artístico do Rio de Janeiro. No final da década de 1950, contribuiu para a criação do estilo musical Bossa Nova, tendo como parceiros Tom Jobim, Toquinho, Baden Powell e Carlos Lyra, entre outros. Sua obra é vasta e envolve a literatura, o teatro, o cinema e a música. Morreu no Rio de Janeiro, no ano de 1980.
A obra de Vinicius tornou-se fundamental para conhecer um pouco da tradição lírico amorosa da poesia brasileira. Outra característica marcante de seus poemas é a musicalidade. Com o amadurecimento, o sentimentalismo de sua obra inovou ao desmistificar a abordagem amorosa, inclusive no aspecto linguístico. Também na maturidade, a simplicidade toma conta de sua fala e ganha os leitores:

 

Soneto do amor total


Amo-te tanto, meu amor… não cante
O humano coração com mais verdade…
Amo-te como amigo e como amante
Numa sempre diversa realidade

Amo-te afim, de um calmo amor prestante,
E te amo além, presente na saudade.
Amo-te, enfim, com grande liberdade
Dentro da eternidade e a cada instante.

Amo-te como um bicho, simplesmente,
De um amor sem mistério e sem virtude
Com um desejo maciço e permanente.

E de te amar assim muito e amiúde,
É que um dia em teu corpo de repente
Hei de morrer de amar mais do que pude.

 

Vinicius de Moraes. Poesia Completa e Prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2ª. ed. 1986.

 

Esse poema pode ser considerado uma síntese do conceito de amor elaborado pelo poeta. A busca de viver o amor em todas as suas expressões desde o calmo amor prestante (idealizado) até a sensualidade. De um amor sem mistério e sem virtude /Com um desejo maciço e permanente para que todas as formas de amar sintetizem-se num amor pleno, total, marcado pela intensidade: Hei de morrer de amar mais do que pude.

A leitura dos poemas de Vinicius de Moraes apresenta-nos alguém que foi capaz de libertar-se dos paradigmas que sua formação lhe colocou e reinventar-se. Os estudiosos e os biógrafos destacam a intensidade como uma característica permanente da vida e da obra do poeta. Desvende outros poemas: leia-os, recite-os e revisite-os. Boa leitura!

• Neste link você pode ter acesso às obras e biografia de Vinicius de Moraes:
http://www.viniciusdemoraes.com.br/site/

Please reload

Featured Posts

Ruth Broad Elementary School, em Bay Harbor Islands, tem after school program em português – Nosso Idioma

September 24, 2015

1/6
Please reload

Recent Posts

December 30, 2015

December 17, 2015

Please reload

Archive
Please reload

Search By Tags

I'm busy working on my blog posts. Watch this space!

Please reload

Follow Us
  • Facebook Basic Square
  • Twitter Basic Square
  • Google+ Basic Square